Pesquisadora desvenda a “informação perversa” sobre a mineração de urânio

Por Eliege Fante, para a Ecoagência Solidária de Notícias

A professora da Universidade Federal do Ceará (UFC), Raquel Rigotto, abordou as ações de resistência à mineração em Santa Quitéria, município do semi-árido nordestino

  


Na manhã desta quarta-feira, 20, ocorreu o debate "Mariana, urânio, Angra 3 – nuclear em questão", na Assembleia Legislativa, uma das atividades do Fórum Social Temático que acontece em Porto Alegre, evento preparatório à edição mundial que será em Montreal, Canadá, entre 9 e 14 de agosto. A realização do debate foi da Articulação Antinuclear Brasileira e da Coalizão por um Brasil Livre de Usinas Nucleares.

A prof. Raquel Rigotto, da Universidade Federal do Ceará (UFC), integra o Núcleo de pesquisa Tramas -Trabalho, Meio Ambiente e Saúde, que criou o Processo Antinuclear como uma das formas de resistência à mineração de urânio e fosfato em Santa Quitéria, no semi-árido nordestino. Através deste projeto o governo federal promove a produção de matéria-prima para abastecer as usinas nucleares brasileiras existentes no Rio de Janeiro e as quatro que pretende implantar nos próximos anos. Já a exploração do fosfato deverá servir à produção de fertilizantes atendendo uma demanda do agronegócio.

 A exploração do minério radiotivo será por 20 anos e ameaça a existência dos modos de vida de 10 mil pessoas distribuídas em 41 comunidades no município cearense de menos de 50 mil habitantes. Os danos sociais e ambientais podem ser considerados irreversíveis já que a radiação é invisível, inodora e insípida e permanece no ambiente por centenas de anos. “A população entendeu que é como um ‘dragão adormecido’ e que se mexermos com o urânio teremos problemas,” contou Raquel. 

A ciência que fazem, explicou a pesquisadora, tem uma perspectiva dialógica e emancipatória, trabalha ao lado das comunidades atingidas. Um dos focos é a desconstrução da “informação perversa”, conforme definiu, baseada em mentiras e repassada às comunidades. Ela contou que, durante uma audiência pública, foi divulgado que apenas areia e água estariam contidos em uma barragem de rejeitos. Mas, haverá também Radio e Tório, que integram a grande família de decaimento natural do urânio.    

A questão do desequilíbrio hídrico já enfrentada no semi-árido também se agrava com mineração do urânio em Santa Quitéria. “Enquanto as comunidades recebem entre 25 e 35 carros-pipa de água por mês, o consumo de água para a exploração do urânio será de 115 carros-pipa por hora,” alertou a professora da UFC. 

O Núcleo Tramas integra a Articulação Antinuclear do Ceará e juntos promovem diversas ações, dentre elas a difusão do abaixo-assinado “Somos contra o Projeto Santa Quitéria! Pela não exploração da Mina de Itatiaia e pelo fim do Programa Nuclear Brasileiro”. Durante o Fórum Social Temático em Porto Alegre, Chico Whitaker estará em frente ao Auditório Araújo Viana, no Parque Farroupilha, durante as tardes, divulgando este e outros documentos. 

Para Chico Whitaker da Coalizão é preciso mais consciência do risco da mineração do urânio e exploração da energia nuclear para produção de eletricidade, tema complexo e de pouca visibilidade na mídia. “É uma insanidade”, resumiu, ao abordar o alto risco aos quais as comunidades estão sendo submetidas e o difícil controle dos impactos. 

Whitaker abordou aspectos de um texto que produziu através do qual relaciona os impactos da radiação com o desastre em Mariana (MG) provocado pela Samarco/Vale/BHP Billiton. “Em Mariana um barro vermelho avançou, violenta e visivelmente, com um ruído surdo, empurrando e matando os moradores da área por ele invadida. Em explosões de usinas o ar, a água, a terra, as plantas, os animais do seu entorno são imediatamente contaminados por partículas radioativas, em quantidade muito maior do que o barro que estava retido pela barragem, mas não são detectadas por nenhum dos nossos cinco sentidos. Embora espalhadas pela explosão e pelo vento a grandes distâncias, só aparelhos especiais identificam sua presença. Os seres humanos nem percebem quando são por elas contaminados. E, depois, diferentes tipos de câncer e outras doenças os matam, lentamente,” afirma. Leia o texto completo "Se a radiação fosse vermelha..."

Assista:

Documentário produzido pelo Núcleo Tramas da UFC, em parceria com a Articulação Antinuclear do Ceará “De Caetité (Ba) a Santa Quitéria (Ce) - As sagas da exploração do u...”.

Exibições: 39

Comentar

Você precisa ser um membro de Articulação Antinuclear Brasileira para adicionar comentários!

Entrar em Articulação Antinuclear Brasileira

Fazemos parte da Frente por uma Nova Política Energética

Acesse!

Site      Facebook    Twitter

© 2023   Criado por Articulação Antinuclear BR.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço