Articulação Antinuclear Brasileira

A Articulação Antinuclear Brasileira (AAB) foi criada em 2011 e é Integrada por indivíduos, entidades, movimentos socioambientais e pesquisadores.

Buscamos fortalecer a luta antinuclear, defendendo o uso de energias renováveis e de um Brasil livre do nuclear.

Redes Sociais

Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos
 

Mensagens de blog

Conclusão da usina nuclear Angra 3 deve exigir até R$9 bi e 5 anos, diz ministro

Postado por Articulação Antinuclear BR em 17 maio 2017 às 14:30 0 Comentários

Por Agência Reuters

A conclusão da construção da usina nuclear de Angra 3, cujas obras estão paralisadas desde o final de 2015, deverá exigir entre 8 bilhões e 9 bilhões de reais em investimentos e até cinco anos de trabalho, disse nesta terça-feira o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho.

Ele afirmou que o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) deverá discutir em junho maneiras de retomar a usina, mas antecipou que provavelmente a solução deverá envolver a atração de uma empresa privada para dar apoio financeiro e operacional à empreitada.

"A ideia é trazer um privado para fazer investimento e manutenção, e a operação seria da Eletronuclear (subsidiária da Eletrobras)", disse Coelho Filho, ao participar de evento no Rio de Janeiro.

França investiga contrato de R$ 71 mi sobre combustível nuclear para Brasi

Postado por Articulação Antinuclear BR em 15 maio 2017 às 12:41 0 Comentários

Por UOL

Procuradores franceses que estiveram no Brasil na semana passada iniciaram conversas com investigadores brasileiros da Operação Lava Jato para saber se o esquema de corrupção que atingiu a Eletronuclear e levou o ex-presidente Othon Luiz Pinheiro Silva à prisão também se estendeu ao contrato para a conversão de urânio usado nas usinas nucleares de Angra 1 e 2.

Entre 2010 e 2015, a multinacional francesa Areva e a estatal brasileira INB (Indústrias Nucleares do Brasil) firmaram contratos no valor de R$ 71 milhões. As duas empresas dizem não ter conhecimento sobre as investigações francesas (leia mais sobre as defesas ao final do texto).

Oficialmente, não há informações sobre investigações brasileiras a respeito do contrato entre a Areva e as INB, responsável pelo fornecimento de combustível nuclear para as usinas brasileiras.

Apesar de o Brasil dominar o ciclo completo de enriquecimento de urânio para fins pacíficos, as INB firmaram um contrato com a Areva, uma das líderes mundiais no setor de energia nuclear.

O contrato previa a conversão do concentrado de urânio, também conhecido como "yellowcake", em hexafluoreto de urânio, um gás que depois é utilizado na produção do combustível nuclear. Essa etapa é feita fora do país e, em seguida, o material é reenviado ao Brasil.

O contrato entre as duas empresas foi firmado em janeiro de 2010 por R$ 57,1 milhões e tinha duração de cinco anos. Em março de 2015, um aditivo no valor de R$ 14 milhões estendeu o contrato para dezembro de 2018.

Os procuradores franceses querem saber se Othon Luiz Pinheiro da Silva, condenado a 43 anos de prisão pela Justiça Federal por ter recebido propina na…

Continuar

Projeto Recultura realiza evento sobre a cultura caiçara em Angra dos Reis

Postado por Articulação Antinuclear BR em 26 abril 2017 às 17:30 0 Comentários

Por Sapê e OCA - Angra dos Reis

Nos dias 29 e 30 de abril, acontece em Angra dos Reis, na Praia do Frade, a primeira edição do projeto "Recultura", um trabalho de fortalecimento cultural produzido pela OCA (Organização dos Caiçaras Amigos) e pela Sapê (Sociedade Angrense de Proteção Ecológica), em parceria com o Fundo Socioambiental CASA. O principal objetivo do projeto é desenvolver a cultura caiçara do distrito de Mambucaba, em Angra, fortemente impactado pela indústria nuclear, pelo turismo e pelo crescimento urbano desordenado.

A abertura do evento, no dia 29 (sábado), a partir das 16h, será marcada pelo lançamento do vídeo documentário "Recultura Caiçara" e terá exposições fotográficas do Fórum de Comunidades Tradicionais de Angra, Paraty e Ubatuba. Também será realizada uma roda de conversa sobre as transformações socioambientais ocorridas na região, com espaço para propostas coletivas de incentivo à cultura caiçara do bairro do Frade. O grupo de jongo da Vila Histórica de Mambucaba encerra a programação com uma roda de dança.

No dia 30 (domingo), a partir das 18h, será realizada uma oficina de lambe-lambe, no calçadão da praia do Frade, com a artista angrense e caiçara Cecil Ribeiro. A partir das 21h, ocorre a Virada Cultural da OCA, com apresentação de grupos locais de música.

Além desses dois dias de evento, o projeto também irá desenvolver oficinas de ativismo socioambiental sobre os temas abordados no documentário "Recultura Caiçara", com exibição do vídeo na Escola Municipal Prefeito José Luiz Ribeiro Reseck (27 de abril) e no Colégio Estadual Antônio Dias Lima (28 de abril), ambas no bairro do Frade, nas turmas de ensino médio e do EJA (Educação de Jovens e Adultos).

Programação:

29/04: 

16h - Lançamento do vídeo documentário "Recultura caiçara"

17h - Roda de conversa …

Continuar
 
 
 

Fazemos parte da Frente por uma Nova Política Energética

Acesse!

Site      Facebook    Twitter

© 2017   Criado por Articulação Antinuclear BR.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço