Articulação Antinuclear Brasileira

A Articulação Antinuclear Brasileira (AAB) foi criada em 2011 e é Integrada por indivíduos, entidades, movimentos socioambientais e pesquisadores.

Buscamos fortalecer a luta antinuclear, defendendo o uso de energias renováveis e de um Brasil livre do nuclear.

Redes Sociais

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos
 

Mensagens de blog

FSM/2018 - Tenda do "Bem Viver" reafirmou "Nuclear Não!"

Postado por Articulação Antinuclear BR em 28 março 2018 às 20:00 0 Comentários

Atividades realizadas na Tenda durante o Fórum Social Mundial (FSM), ocorrido de 13 a 17 deste mês na Universidade Federal da Bahia (UFBA), evidenciaram que a resposta à barbárie capitalista é a sociedade do Bem Viver, na qual não têm lugar: o agro e o hidronegócio, que violentam a humanidade com a espoliação de territórios; o agroveneno nos alimentos; a privatização da água; a expropriação nem a entrega dos bens comuns do povo e da natureza a grandes corporações privadas. Também não têm vez a indústria bélica, nem o uso da tecnologia nuclear para produzir energia elétrica.

A Tenda foi aberta com uma abordagem acadêmica sobre o Bem Viver que inspirou o fio condutor de debates sobre a defesa dos bens comuns –contra a mercantilização da vida e da natureza– ao longo de dois dias do FSM. Já exemplos práticos das possibilidades de se atingir o estado de Bem Viver foram revelados no último evento de pescador@s e quilombolas, povos originários e tradicionais, que cultuam o lema “outro mundo é possível” em seu universo de sabedoria e convivência. Nesta perspectiva, o Nuclear Não! emergiu, mais uma vez, como incontestável afirmação da importância das fontes renováveis de energia –que promovem a Vida e não a morte, como é o caso da nuclear– e do fortalecimento da cultura da paz, a favor do desarmamento, amplo, geral e irrestrito.

Água é Vida!

Profundamente associado a proposta do Bem…

Continuar

Risco da construção da usina atômica Angra 3, no Rio de Janeiro

Postado por Articulação Antinuclear BR em 26 março 2018 às 17:00 0 Comentários

Centenas de participantes do Fórum Social Mundial/2018 assinaram Carta Aberta dirigida à Procuradoria Geral da República, aprovada em atividade intitulada Dialogo Brasil/França/Japão/Suíça que demonstrou a ameaça representada pela conclusão do obsoleto projeto da usina nuclear Angra 3, em Angra dos Reis (RJ).

Você pode assinar e também coletar assinaturas (mandar para Caixa Postal no. 11.320, Ag. ECT Rua dos Pinheiros, 1502, CEP: 05422-970, São Paulo – SP).

Carta Aberta à Dra. Raquel Dodge, DD Procuradora-Geral da República

Salvador, 14 de março de 2018

Os participantes brasileiros do Diálogo Brasil-França-Japão-Suíça em questões nucleares, atividade de debate e reflexão que teve lugar no Fórum Social Mundial realizado em Salvador da Bahia de 13 a 17 de março de 2018, consideraram imprescindível e urgente dirigir esta Carta Aberta a V.Exa, ao tomarem conhecimento do risco de retomada da obra da usina nuclear de Angra 3 com um projeto obsoleto, elaborado na década de 70.

Em país nenhum do mundo se inicia hoje em dia a construção de usinas nucleares com projetos elaborados antes de 1979, data em ocorreu em Three Miles Island, nos Estados Unidos, um acidente de tipo novo, até então considerado impossível: uma série de falhas combinadas leva à perda do controle da elevação da temperatura do reator nuclear, que funde, o que pode ser seguido da explosão da usina. Este tipo de acidente, chamado “severo”, tem como consequência catástrofes ambientais e sociais como as que assombraram o mundo quando um segundo voltou a ocorrer em 1986, em Chernobyl na então União Soviética, e um terceiro em 2011, em Fukushima no Japão, com a disseminação de grandes quantidades de partículas radioativas em vastos territórios. Diante disso a Agência Internacional de Energia Atômica elaborou novas normas de segurança, para evitar esses acidentes…

Continuar

Tenda do Bem Viver propõe convergência socioambiental no Fórum Social Mundial em Salvador

Postado por Articulação Antinuclear BR em 7 março 2018 às 11:00 0 Comentários

Abrigando atividades ligadas ao tema “Convergência e Debates Socioambientais”, a Tenda do Bem Viver será um espaço de reflexão crítica sobre a defesa dos bens comuns e contra a mercantilização da vida e da natureza, na perspectiva de evidenciar experiências de lutas voltadas à construção do “outro mundo possível”, lema impulsionador do Fórum Social Mundial, desde sua primeira edição em 2001.

Viabilizada graças ao apoio da Universidade Federal da Bahia, a tenda ficará ao lado do Instituto de Biologia, no campus Ondina/UFBA nos dias 14 e 15 de março.O Fórum Social Mundial acontece de 13 a 18 de março, em Salvador.

A tenda se enquadra no eixo Desenvolvimento, Justiça Social e Ambiental e nela ocorrerão atividades conectadas com os cinco elementos da natureza: ÁGUA (aquíferos, rios, lagoas, mares, manguezais), AR (energia limpa e renovável. Nuclear Não!), FOGO (Mineração e suas ameaças), TERRA (agrotóxicos, desmatamentos, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga) e ÉTER (Cultura de Raíz - o ser humano protagonista do Bem Viver, com sua cultura e espiritualidade em manifestações e crenças de todos os matizes). 

A tenda se abre para o debate em torno das possibilidades de convergência de agendas, campanhas e mobilizações comuns que unifiquem o processo das lutas emancipatórias, anticapitalistas, de combate à falácia da economia verde, pela democracia, superação da miséria e consolidação dos Direitos Humanos, da Paz, do Bem Viver!

As entidades proponentes da tenda foram a Articulação Antinuclear Brasileira, o COESA-Conselho das Entidades Sociombientalistas-BA e o Programa de Pós-Graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho (UFBA). Entidades…

Continuar

INB promete manter tratamento de ex-empregados da Nuclemon

Postado por Articulação Antinuclear BR em 9 fevereiro 2018 às 15:18 0 Comentários

Do Blog da Tania Malheiros

A Associação Nacional dos Trabalhadores da Produção de Energia Nuclear (Antpen) denunciou ontem a suspensão do pagamento, há uma semana, de convênio imprescindível ao tratamento de ex-funcionários da Indústrias Nucleares do Brasil (INB), que trabalharam na Nuclemon Minero-Química, onde contraíram doenças por exposição a diversos agentes insalubres.  A Nuclemon está fechada desde 1993.

Funcionários da INB fizeram assembleia nesta quinta-feira (8/2), porque, segundo eles, a empresa parou de pagar o convênio de Assistência Médico-Ambulatorial-Hospitalar da Intermédica do Grupo de Medicina Privada Notre Dame, que fornecia o atendimento e o tratamento às vítimas.  O contrato da INB com a Notre Dame expirou em 31 de janeiro desse ano e não havia sido renovado, segundo a Antpen.

Na assembleia pela manhã, eles fizeram um minuto de silêncio pelo ex-empregado conhecido como Omar, que morreu no dia 18 de janeiro com tumor maligno. Também mostraram documentos de José Carlos dos Santos, outro ex-empregado, com câncer de laringe, que teve o tratamento recusado pela Notre Dame. “Esperamos que isso não se repita”, disseram.

Há pouco, em nota oficial, a empresa garantiu:  “A INB informa que a ordem bancária foi emitida na terça-feira (6), o crédito foi efetivado na quarta-feira e a operadora, – INTERMÉDICA tem 72 horas para restabelecer o atendimento”.

Segundo o presidente da Associação, José Venâncio…

Continuar
 
 
 

Fazemos parte da Frente por uma Nova Política Energética

Acesse!

Site      Facebook    Twitter

© 2018   Criado por Articulação Antinuclear BR.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço