Em audiência pública com pouquíssima representação da sociedade civil, ativistas e representantes de movimentos sociais manifestam repúdio aos novos leilões de petróleo e gás

Da assessoria de comunicação da 350.org

Dando prosseguimento ao cronograma de leilões de blocos para exploração e produção de petróleo e gás no Brasil, a Agência Nacional do Petróleo e Gás (ANP) realizou, nesta terça-feira (27), uma audiência pública - a única de todo o processo, apesar do impacto de abrangência nacional - para analisar as contribuições recebidas durante a consulta pública referente à 14ª Rodada de Licitações, que irá ofertar 287 blocos para exploração de áreas em 9 bacias sedimentares. Mesmo sendo direcionada a discutir com a sociedade os impactos dos novos leilões, a audiência foi dominada pelas empresas petrolíferas. Ativistas da 350.org e COESUS - Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida, representando os movimentos sociais, ambientalistas e climáticos, estiveram presentes e manifestaram repúdio aos novos leilões e também à maneira com que a ANP vem conduzindo o processo de oferta e venda de blocos.

"A sociedade civil já manifestou diversas vezes que é contra a exploração de combustíveis fósseis, uma energia retrógrada, principal responsável pela emissão dos gases que causam o aquecimento global e que, para piorar, ainda coloca em risco a qualidade da água e do solo, ameaçando os territórios e a sobrevivência de diversas populações tradicionais. Mesmo assim, a ANP insiste em ignorar esses apelos e seguir conduzindo o processo de leilões de forma obscura e irresponsável, sem sequer levar em consideração as demandas e reivindicações das comunidades já impactadas ou que estão nas áreas de risco", alertou Nicole Figueiredo de Oliveira, diretora da 350.org Brasil e América Latina e coordenadora da COESUS.

Desde a 13a Rodada, quando o leilão foi interrompido sob protestos da 350.org e COESUS, a ANP não diz explicitamente nos editais se os blocos incluem a exploração de gás de xisto pelo método não convencional do fraturamento hidráulico, mais conhecido como fracking. "A Agência se vale da ausência de uma legislação nacional que discipline a utilização do fracking para promover os leilões e abrir o Brasil à indústria mais devastadora e perversa que existe, e  omitindo isso da população que será diretamente afetada. Sem transparência e avaliação de impacto ambiental, a ANP permite que o vencedor da concessão utilize qualquer tecnologia para a exploração do bloco sem a devida consulta pública e esclarecimento às comunidades impactadas ou aos gestores públicos e parlamentares", cobrou em sua fala Suelita Röcker, pedagoga especialista em Educação Ambiental e Coordenadora de Engajamento e Comunidades da COESUS.

Desde 2013, a COESUS, 350.org Brasil e parceiros, através da campanha Não Fracking Brasil, realizam o trabalho de informar à população sobre os riscos e perigos desta atividade minerária e seus impactos para a biodiversidade, economia, produção de alimentos, saúde da população e para o clima do planeta. Mais de 350 cidades em diversos estados do país já aprovaram legislação municipal que proíbe operações de fracking - também conhecido como o "gás da morte" -, inclusive a fase da pesquisa sísmica que provoca danos severos à biodiversidade e às pessoas. Outras centenas estão debatendo o projeto idealizado pela campanha, e que está à disposição das prefeituras e Câmaras Municipais.

Segundo o advogado José Lira, especializado em Direito Ambiental e coordenador regional da COESUS em São Paulo, análises técnicas preliminares, como o Parecer Técnico Preliminar n. 2017, produzido pelo Grupo de Trabalho Interinstitucional de Atividades de Exploração e Produção de Óleo e Gás (GTPEG) do Ministério do Meio Ambiente, que trata da análise ambiental prévia das áreas relativas à 14a Rodada, já identificaram os potenciais impactos decorrentes da exploração dos blocos a serem leiloados. "Tudo indica que a ANP está novamente camuflando a possibilidade de exploração de gás natural por meio do fraturamento hidráulico, uma vez que os estudos do GTPEG mencionam a utilização da técnica. Requeremos a suspensão do leilão até que todas as intenções de exploração sejam colocadas de forma clara e objetiva", afirmou Lira.⁠⁠⁠⁠  

"Nós da COESUS e da 350.org, juntamente com nossos milhões de apoiadores, exigimos que a ANP aja com verdade e transparência para com a sociedade civil, banindo o uso da técnica do fraturamento hidráulico conhecida como fracking nos ambientes onshore e offshore para exploração do gás de xisto e dos mantos carboníferos metânicos que colocam em enorme risco a saúde pública, a agricultura nacional e o meio ambiente", frisou o advogado.

A audiência acontece no mesmo mês em que o Acordo de Paris foi promulgado pelo governo brasileiro, passando a valer como lei nacional, e em que o presidente Michel Temer, juntamente com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, emitiu uma declaração pública afirmando que o combate ao aquecimento global é "inadiável". O leilão da 14a Rodada está previsto para o dia 27 de setembro.

Exibições: 7

Comentar

Você precisa ser um membro de Articulação Antinuclear Brasileira para adicionar comentários!

Entrar em Articulação Antinuclear Brasileira

Fazemos parte da Frente por uma Nova Política Energética

Acesse!

Site      Facebook    Twitter

© 2017   Criado por Articulação Antinuclear BR.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço