Em 11 de março de 2011 um Tsunami atingiu a cidade de Fukushima e causou a explosão e derretimento de três reatores nucleares da Central Nuclear Fukushima I. A explosão dos reatores causou o escape de radiação em um acidente classificado no máximo da Escala Internacional de Acidentes Nucleares.

A partir desse acidente os moradores de um raio de 20 km foram evacuados, foram 150 mil pessoas desalojadas e que hoje começam a serem pressionadas a voltar ao entorno do acidente mesmo sem terem a certeza de que a área está livre de radiação. Os efeitos à saúde humana vem sendo minimizados pelo governo japonês e pela imprensa local e internacional.

Foi o mais grave acidente nuclear desde Chernobyl, em 1986. Assim como a cidade Ucraniana, Fukushima tornou-se uma cidade fantasma. Toda a economia da região foi prejudicada. Até abril do ano passado o Japão já havia gastado quase 5 bilhões de dólares para descontaminar a área, trabalho que deve durar ainda cerca de 40 anos.

Na época, o primeiro-ministro Naoto Kan era um defensor das usinas. Hoje, é um ativista antinuclear. Naoto Kan demitiu-se de seu cargo e pediu desculpas ao Japão pela responsabilidade do estado na tragédia. Assim como ele, hoje, a maior parte da população japonesa também defende o fim da energia nuclear no país.

E porque após uma tragédia desse porte seguimos acreditando na segurança de usinas nucleares?

Apesar de todos os avanços tecnológicos e na segurança das usinas existe sempre o imponderável. Como prever o efeito de todos os eventos possíveis de se acontecer no entorno de uma usina? O Japão é um país muito preparado para lidar com os eventos sísmicos frequentes no país, ainda assim não conseguiu evitar a catástrofe nos três reatores nucleares. 

Como garantir que erros humanos ou até mesmo ataques intencionais nunca venham a acontecer? Na impossibilidade disso, o mais razoável é aderir ao princípio da precaução e não realizar atividade que pode vir a ter impacto insuperável no meio ambiente e na saúde humana.

Ainda assim vemos alguma resistência de setores de países desenvolvidos em abandonar a energia nuclear e os planos de expansão desse setor nos países em desenvolvimento. O Brasil, por exemplo, pretende construir 5 usinas nos próximos 30 anos. A China, pasmem, 30!

Os japoneses já passaram pelo inferno atômico em dois momentos diferentes, primeiro na II Guerra Mundial, com o lançamento de bombas atômicas sobre as cidades de Hiroshima e Nagasaki. E agora novamente em 2011 com o desastre de Fukushima. Não ouvir as vítimas japonesas é desconsiderar seu sofrimento que poderia nos servir de exemplo e evitar a eterna repetição. Temos energia limpa e renovável para todos! O Japão e todos os países do mundo precisam abolir o uso de energia nuclear em respeito às vítimas de desastres atômicos e ao nosso futuro.

Mais sobre Fukushima:

Leia o relato de Chico Whitaker sobre visita à Fukushima em 2014

Assista ao documentário Alone in the Zone, sobre a zona de exclusão...

Exibições: 191

Comentar

Você precisa ser um membro de Articulação Antinuclear Brasileira para adicionar comentários!

Entrar em Articulação Antinuclear Brasileira

Fazemos parte da Frente por uma Nova Política Energética

Acesse!

Site      Facebook    Twitter

© 2020   Criado por Articulação Antinuclear BR.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço