Articulação Antinuclear do Ceará se reúne com Ibama para que licenciamento ambiental de mineração de urânio e fosfato no Ceará seja cancelado

Hoje (14.08), a Articulação Antinuclear do Ceará (AACE) se reúne com a Superintendência do Ibama em Fortaleza para entregar à autarquia federal uma série de documentos que atestam a inviabilidade socioambiental do Projeto Santa Quitéria, empreendimento que pretende realizar a mineração de urânio e fosfato na Jazida de Itataia, localizada em Santa Quitéria, a 222 Km de Fortaleza.

Participarão da reunião agricultores(as) dos assentamentos e das comunidades mais próximas à jazida, além de pesquisadores(as), advogados(as), jornalistas, representantes de movimentos sociais e moradores(as) de Canindé.

Entre os documentos entregues ao Ibama, destaca-se o parecer da UFC que apresenta as irregularidades do relatório da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (COGERH) sobre o Projeto Santa Quitéria e comprova a inviabilidade hídrica do empreendimento.

Além do parecer, também será entregue a carta pública lançada pela AACE em março de 2017. Assinada por mais de 40 instituições de diferentes regiões do Brasil e do mundo, a carta requer à Direção do Ibama o cancelamento do licenciamento ambiental da mineração de urânio e fosfato e tem sido divulgada por organizações como a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e a Rede Brasileira de Justiça Ambiental.

A AACE entrega ao Ibama, ainda, os três vídeos que compõem o documentário “O tesouro de Itataia”. O documentário entrevista representantes das comunidades do Sertão Central; pesquisadores das áreas de Saúde Coletiva e Recursos Hídricos; advogados(as) e integrantes de movimentos sociais, além de destacar a biodiversidade dos territórios diretamente afetados e os riscos do Projeto Santa Quitéria, especialmente para a água e a saúde da população.

De acordo com o professor José Carlos de Araújo (UFC), um dos entrevistados no documentário, “a demanda do projeto de mineração é oito vezes a demanda do restante da sociedade que habita a região, incluindo abastecimento animal, abastecimento humano, indústria e irrigação”. Nesse sentido, “o impacto que ela terá sobre a água vai ser muito grande”, conclui Araújo.

“Em 2016, a própria equipe técnica do Ibama emitiu um parecer atestando a inviabilidade socioambiental do Projeto Santa Quitéria, mas, até agora, a Direção da autarquia não se pronunciou sobre esse parecer. Por isso, estamos aqui com as comunidades para solicitar a responsabilidade do Ibama com o arquivamento desse licenciamento ambiental”, destaca Iara Fraga, do Movimento Pela Soberania Popular na Mineração (MAM).

O documentário e os outros documentos entregues ao Ibama serão divulgados no site e na página do Facebook do Coletivo Urucum ao longo desta semana: www.urucum.org / facebook.com/coletivourucum/.

Saiba mais:

Projeto Santa Quitéria

O Projeto Santa Quitéria pretende explorar a Jazida de Itataia para produzir anualmente 1.600 toneladas de concentrado de urânio e 1.050.000 toneladas de derivados fosfatados destinados à energia nuclear e à produção de ração animal e fertilizantes para o agronegócio.

Proposto pela estatal Indústrias Nucleares do Brasil (INB) e pela Galvani Indústria, Comércio e Serviços S.A (controlada pela mineradora norueguesa Yara), o empreendimento planeja consumir o equivalente a 125 carros-pipa de água por hora e pode contaminar com resíduos radioativos 156 comunidades, 3 bacias hidrográficas e mais de 60 municípios do Ceará, incluindo Fortaleza.

Articulação Antinuclear do Ceará

Compõem a Articulação Antinuclear do Ceará (AACE) as comunidades do entorno da Jazida de Itataia, o Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Movimento Pela Soberania Popular na Mineração (MAM), a Comissão Pastoral da Terra (CPT), a Cáritas Diocesana de Sobral, o Coletivo Flor de Urucum - Direitos Humanos, Comunicação e Justiça e o Núcleo Trabalho, Meio Ambiente, Saúde (TRAMAS), da Universidade Federal do Ceará.

Desde 2011, a AACE atua com a defesa dos direitos territoriais das populações que podem ser atingidas pela mineração de urânio e fosfato no Ceará, a partir da promoção de espaços de intercâmbio de experiências, da formação em direitos humanos e da difusão de informações para a sociedade.

Articulação Antinuclear do Ceará se reúne com Ibama para que licenciamento ambiental de mineração de urânio e fosfato no Ceará seja cancelado

Exibições: 12

Comentar

Você precisa ser um membro de Articulação Antinuclear Brasileira para adicionar comentários!

Entrar em Articulação Antinuclear Brasileira

Fazemos parte da Frente por uma Nova Política Energética

Acesse!

Site      Facebook    Twitter

© 2019   Criado por Articulação Antinuclear BR.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço