A implantação da tarifa flexível dificultará a microgeração descentralizada no país?

Por Geraldo Lúcio Tiago Filho – Diretor do Instituto de Recursos Naturais e Secretário Executivo do Centro Nacional de Referência em Pequenas Centrais Hidrelétricas da Universidade Federal de Itajubá, para o site do CERPCH

A Tarifa flexível de energia elétrica que terá seu início em janeiro de 2018 criada para estimular o consumo de energia fora do horário de pico, deverá dificultar a viabilização econômica dos sistemas de microgeração descentralizada, o mercado mais promissor para a geração fotovoltaicas de pequenas unidades consumidoras, com consumo acima de 500 kWh /mês.

Basicamente, o sistema propões três períodos diferenciados para as tarifas: O período mais caro vai das 18h às 21h, o intermediário vai das 17h até 18h e das 21h às 22h a de preço menor, também denominada de tarifa branca o restante do dia, em finais de semana e feriados a tarifa branca será a válida para todo o dia.

A princípio a tarifa branca terá um valor inferior à tarifa convencional e a sua adesão, por parte do consumidor, será opcional.

Prevê-se dias difíceis para os sistemas de microgeração com fontes renováveis de energias, tais como os fotovoltaicos, minicentrais hidrelétricas, pequenos parques eólios e biomassa. Outros tipos de sistemas de geração descentralizadas, tais como células combustíveis, microturbinas a gás, que já tinham dificuldades de penetração nesse mercado, praticamente tornar-se-ão economicamente inviáveis.

A atratividade da microgeração descentralizada se dá na possibilidade do consumidor optar por uma fonte de energia renovável, o que faz bem para o ambiente e minimiza o aquecimento global, e, o mais importante, que traz possibilidades reais de ganhos financeiros com a substituição da energia elétrica fornecida pela distribuidora.

Esses sistemas podem ser fornecidos na forma individual para o atendimento unifamiliares, condomínios, pequenas unidades comerciais até em instalação em industrias de pequeno porte, já que o limite dos mesmos é de 5.000 kW para energia solar e eólica e 3000 kW para centrais de geração hidrelétricas.

O grande atrativo é que a tarifa levada em conta é a da distribuição, bem superior às das praticadas na geração.

É exatamente esse atrativo que é apresentado para o consumidor interessado em migrar para o sistema de microgeração e que propicia a amortização econômica desses sistemas em um tempo de retorno razoável, de 5 a 7 anos, com valores presentes e taxas  internas de retorno atrativas.

Há muito que mercado esperou pela resolução da 482 da Aneel, depois revista, pela resolução 687.  Foi por meio dessas resoluções que o mercado da centrais de geração hidráulicas, as chamadas CGH, ressurgiu como um Fênix, resultantes dos incêndios causados pela entrada das eólicas no país. Gerou condições para a criação do mercado da geração fotovoltaica, que  cresce a ritmo exponencial em todo o país,  possibilitando instalação de unidades fabris de empresas  estrangeiras em nosso país, o que poderia ter criado condições para o desenvolvimento de pequenos aerogeradores pela indústria nacional.

Ainda sem entender a estratégia do governo, o setor recebe com bastante receio a implantação da tarifa flexível, visto que poderá resultar em dificuldades em continuar com a expansão da microgeração descentralizada no país.

Exibições: 30

Comentar

Você precisa ser um membro de Articulação Antinuclear Brasileira para adicionar comentários!

Entrar em Articulação Antinuclear Brasileira

Fazemos parte da Frente por uma Nova Política Energética

Acesse!

Site      Facebook    Twitter

© 2018   Criado por Articulação Antinuclear BR.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço