Caetité recebe mostra e ciclo de debates sobre impactos da mineração

Por Movimento pela Soberania Popular na Mineração

Depois de passar por São Paulo (SP), Belém (PA), Açailândia e S. Luís (MA), exposição esteve no interior da Bahia, em região que também está em contradição com o modelo mineral brasileiro.

Usando a arte para estimular o debate em torno do modelo mineral brasileiro, a exposição Do Rio que Era Doce às águas do do Semiárido: destruição e mortes do modelo mineral esteve na UNEB, em Caetité de 27 a 29 de setembro. O evento segue agora para a Capital, Salvador.

A mostra nasceu meses após o rompimento da barragem de Fundão, que, em novembro de 2015, deixou a região de Mariana (MG) coberta por rejeitos tóxicos. O rastro de lama chegou até o oceano Atlântico e, com ele, cresceu também a necessidade de se discutir as ameaças socioambientais representadas pela mineração. A contaminação da água e do solo, o inchaço e a sobrecarga das capacidades dos municípios que abrigam barragens e os problemas de saúde de sua população são só alguns deles.

São Paulo foi a primeira cidade a abrigar a exposição, na Matilha Cultural. Organizada pelo Comitê Nacional em Defesa dos Territórios frente à Mineração. Mais de 30 mil pessoas já visitaram a exposição e participaram de debates, aulas públicas, rodas de conversa, exibição de filmes sobre a mineração. O objetivo é discutir o modelo mineral com toda a sociedade.

Em Caetité, a exposição foi articulada pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), Grupo de Pesquisa Geografar (UFBA), Movimento pela soberania Popular na Mineração (MAM) e Movimento Paulo Jackson – Ética Justiça e Cidadania. E conta com o apoio da Coordenação Ecumênica de Serviço (CESE).

Exibições: 37

Comentar

Você precisa ser um membro de Articulação Antinuclear Brasileira para adicionar comentários!

Entrar em Articulação Antinuclear Brasileira

Fazemos parte da Frente por uma Nova Política Energética

Acesse!

Site      Facebook    Twitter

© 2019   Criado por Articulação Antinuclear BR.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço